Publicações

Amiga (o) de caminhada, Não confundas autonomia com recursos oferecidos a ti pela divina providência. Autonomia é estágio de um processo deflaglado por ti mesmo(a). Em verdade, um efeito de tua perseverança na longa e exaustiva viagem da interiorizaçao. Pede a DEUS para dilatar teu dicernimento a fim de usá-la afinada com os propósitos do bem, entretanto, felicita a ti mesmo(a) lográ-la,porque é conquista individual,inalienável e intransferível. De nossa parte, se algo fizemos para chegares até este ponto evolutivo,foi, tao somente, lembrar-te sempre que todos merecemos se felizes.
Ocorreu um erro neste gadget

Como Decidir

"Vendo Pilatos que nada conseguia, antes pelo contrário, aumentava o tumulto, mandando vir água, lavou as mãos perante o povo, dizendo: estou inocente do sangue deste, fique o caso convosco”.Mateus-cap.27,v.24.

A águia romana pousou na Judéia, e um dos deveres do governador consistia em observar a atitude dos judeus com relação ao império dominante, a fim de se abafar toda e qualquer revolta que pudesse surgir, visando a liberdade para o povo oprimido. Investigações com essa finalidade eram determinadas por Pôncio Pilatos, em nome de César, e se realizavam periodicamente. Naquela ocasião, surgiu um homem, com o nome de Jesus, filho de um carpinteiro, que foi crescendo em tamanho e virtude, andarilho por natureza e muito amado pelo povo. Alguns o tinham na conta de profeta; outros diziam que era o Cristo que havia de vir, para libertar seu povo oprimido e escravizado; outros ainda anunciavam que aquele seria o rei dos Judeus que haveria de provar a supremacia da raça eleita. As notícias cruzaram a Palestina atingindo até mesmo Roma, que viu a necessidade de enviar um emissário seu até a Judéia, pois o governador demorava a enviar um relatório que esclarecesse acerca do novo profeta que ali aparecera. Pilatos, antes, dava pouco crédito às notícias, por saber que Jesus era da família de João Batista e não reunia condição para subversão; se chegasse a interferir, seria na conduta do povo, e não na política de Roma. Mas Roma não se fez de quieta; teme a demora de Pilatos e manda vigia-lo. Desconfiado, o governador inicia uma investigação mais minuciosa e, além do que já sabia, pode acrescentar: O homem era inofensivo. Dava-se mais a anunciar o tal de reino de Deus, ilusão de todos os profetas e adivinhos; não se intrometera em política, e nem conhecia tal coisa. Roma poderia ficar descansada; mas Roma não ficou. A águia voava por todas as bandas, rapinando e vigiando os estrangeiros dominados, razão por que as notícias sobre Jesus assustaram bastante os altos dignatários da velha loba. Pilatos teve que tomar providências para não perder seu trono. Submete Jesus à vergonha pública, prendendo-o e fazendo-o passar por interrogatórios. O Mestre, conhecendo a covardia do agente da corrupção, nada responde; em fúria, Pilatos lava as mãos, mesmo sabendo tratar-se de um justo; o medo fê-lo entregar Jesus aos fariseus, cujos principais sacerdotes almejavam ver-se livres do novo profeta, que já começava a fazer reformas morais no seio da família judaica, com base no mesmo livro que tantos adoravam. E o retrato de grande parte da humanidade, nos nossos dias, ainda se assemelha ao da época de Pôncio Pilatos, governador da Judéia. Quando na hora da decisão, em casos que carecem de uma ajuda maior, quando a estabilidade individual corre risco, muitos se acovardam lavando as mãos, pensando que esse gesto pode livra-los das responsabilidades. Quantos se enganam! A fidelidade e a justiça constituem emblemas sagrados dos corações. Fugir ao cumprimento do dever, aos ditames da consciência, é sim, complicamos as situações com as força negativa de covardia vaidosa. Quantas vezes a vida convoca os nossos corações para uma decisão de grande importância e, na hora, lavamos as mãos, qual Pilatos? E o cristo ainda não nos acusa, permanecendo em silêncio. Quantas vezes impulsionados pelo orgulho e pela vaidade, intentamos trocar vidas preciosas por lugares de conforto transitório? Quantas vezes desprezamos os caminhos do amor e da concórdia, para abraçarmos Barrabás da subversão e do crime? Quantas e quantas vezes o Cristo perlustrou por nosso mundo íntimo, parando aqui e ali, nos pontos cardeais da nossa sensibilidade, sem poder articular uma palavra sequer, dado o nosso desinteresse por ele? Quantas e quantas vezes o Cristo perlustrou por nosso mundo íntimo, parando aqui e ali, nos pontos cardeais da nossa sensibilidade, sem poder articular uma palavra sequer, dado o nosso desinteresse por ele? Falamos muito de Jesus neste século. Escrevemos páginas inumeráveis sobre sua vida, dizemos sempre aos outros que Cristo é a salvação. Mas ainda o carregamos, crucificado, em nosso ser, com os cravos do pecado e a cruz da covardia. Libertar Jesus, em nós, será motivo de glória. Por esse trabalho, contudo, é necessário que conheçamos a verdade, porque somente ela nos liberta, Ninguém conhece a liberdade, tendo fortes tendências para a mentira. Ninguém conhece a verdade, acalentando a maledicência ou desviando, por vontade própria, sua direção dos caminhos da caridade e do amor. Se não queres julgar, não julgues. Isso será bom; mas quando chamados à decisão, decide sem lavar as mãos e sem deixar, premeditadamente, o fardo nos ombros dos outros. Nunca imites o governador, como escreve Mateus.

“Vendo Pilatos que nada conseguia, antes pelo contrário, aumentava o tumulto, mandando vir água, lavou as mãos perante o povo, dizendo: estou inocente do sangue deste, fique o caso convosco”.

Alguns Ângulos dos ensinos do Mestre
João Nunes Maia/Miramez

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Nós somos seres de Amor, de luz de paz...

Ocorreu um erro neste gadget

Senhor,médico de nossas almas!

Agradecemos a tua paciência para com nossas limitações.

Agradecemos o ensejo do aprendizado por meio da observação da nossa própria conduta.

E desejosos de prosseguir caminho afora, ao teu lado pedimos-te a proteção para guardarmos este mesmo espírito de renovação,de solidariedade e companherismo.

Aqui e onde mais estivermos, que seja feita a tua vontade... ASSIM SEJA

Quem por aqui passar...

Saiba que :

Em cada letrinha aqui digitada, em cada mensagem, cada foto, cada espaço, cada vídeo, cada música, possui muito, mas muito carinho e dedicação... Algumas linhas são minhas, outras não. Procuro preservar os direitos daqueles que escrevem, informando ao final a devida autoria, outras poderão aparecer sem esta informação. Alguns textos são digitados por mim, outros copiados e colados. Alguns, investigo a fonte e a veracidade, outros não... Mas o que importa neste espaço, é a verdadeira vontade, é o amor, e a reunião de minhas intenções. Poderei passar sempre aqui, ou não... Mas o que importa...é que se por acaso tu passares por aqui, que leves algo importante para ti... E lembrem-se sempre, desta frase , dita por Dalai-Lama:

“O diálogo é fonte de FELICIDADE."

Com Carinho,

Lorena.

NÃO ESTRAGUE O SEU DIA




  • A sua irritação não solucionará problema algum.
  • As suas contrariedades não alteram a natureza das coisas.
  • Os seus desapontamentos não fazem o trabalho que só o tempo conseguirá realizar.
  • O seu mau humor não modifica a vida.
  • A sua dor não impedirá que o Sol brilhe amanhã sobre os bons e os maus.
  • A sua tristeza não iluminará os caminhos.
  • O seu desânimo não edificará a ninguém.
  • As suas lágrimas não substituem o suor que você deve verter em benefício da sua própria felicidade.
  • As suas reclamações, ainda mesmo afetivas, jamais acrescentarão nos outros um só grama de simpatia por você.
  • Não estrague o seu dia. Aprenda, com a Sabedoria Divina, a desculpar infinitamente, construindo e reconstruindo sempre para o Infinito Bem.
  • Chico Xavier/André Luiz.

    Agenda Cristã.


    "Força, coragem, determinação e muita fé"

    "Força, coragem, determinação e muita fé"

    Seja seu melhor administrador

    Centro espírita a caminho da Luz - PALESTRAS

    Loading...

    Hammed e Dr Adão Nonato

    Loading...

    Raul Teixeira

    Loading...
    Loading...
    Loading...
    "Em cada um de nós há um segredo, uma passagem interior, com Planícies invioláveis, vales de silêncio e paraísos secretos." (S. Exupery)